Programa traz economia de 46% na confecção de silagem

Agricultores pagam R$ 79,88 por hora trabalhada. Na safra anterior foram beneficiadas 244 famílias

Na propriedade de Luciano Markus, na localidade do Atlético, com auxílio de dois tratores foram confeccionadas mais de 50 toneladas de silagem. O alimento será destinado para o rebanho de 27 vacas leiteiras. Com o lucro cada vez mais reduzido, Markus destaca a importância do incentivo. “É de extrema importância auxiliar quem produz e gera a maior parte da arrecadação”, destaca.

Nos últimos anos investiu R$ 250 mil na construção de um novo galpão com capacidade de alojar 64 animais. A meta é ampliar a produção, que hoje chega a 600 litros diários. Entre as dificuldades cita a queda no valor pago pelo litro. “O preço caiu a R$ 1. Precisamos focar a gestão e planejar cada investimento para manter a rentabilidade”, afirma.

Conforme o diretor da Secretaria da Agricultura, Meio Ambiente, Viação e Interior, Mércio Ludwig, na safra anterior foram beneficiados 244 produtores. As máquinas trabalharam 1.148 horas.

Destaca a economia gerada pelo programa. “Se contratasse uma máquina particular pagaria R$ 150 a hora. Com nossa ajuda a economia chega a 46,77%. É uma forma de incentivar quem produz e elevar a rentabilidade”, entende.

Pelo programa, até 15 horas trabalhadas o valor cobrado por hora é de R$ 79,88. Após este período o preço sobe para R$ 125,35.

Além da confecção, a secretaria auxilia no fechamento dos silos. Cada produtor tem direito a duas horas de serviço de máquinas de forma gratuita ao ano. “Ao trabalhar dez horas o desconto é de 50% sobre o valor integral. Após esta quantidade, cobramos o valor de tabela”, explica.

Para conseguir atender a demanda, Ludwig orienta os produtores a encaminharem os pedidos com até 15 dias de antecedência. “Com o agendamento prévio conseguimos nos organizar e atender da melhor maneira possível”, diz.

Setor estratégico

O prefeito Paulo José Grunewald destaca o desenvolvimento de 40 programas de incentivo no setor primário. Entende ser fundamental auxiliar o segmento responsável por gerar R$ 31,6 milhões de valor adicionado por ano. “A agricultura corresponde por 74,51% da arrecadação municipal. É uma área estratégica e merece toda a nossa atenção”, reforça.

Existem 922 propriedades. São 336 produtores de leite (7,4 milhões de litros de leite ao ano), 32 chiqueiros e 17 aviários.