Município estuda decretar situação de calamidade

Baixo preço pago ao produtor leva a abandono da atividade leiteira e provoca perda de arrecadação

Até o fim do ano mais de 100 produtores, cuja média diária de produção é de apenas 50 litros, podem abandonar a atividade. A projeção feita pela Emater leva o Executivo a tomar atitudes mais drásticas.

Conforme o prefeito Paulo José Grunewald, assim como outros municípios da região, uma das medidas estudadas é o decreto de calamidade pública em razão dos baixos preços pagos e o endividamento causado pelos calotes de indústrias. “Alguns produtores receberam R$ 0,67 por litro no último mês. Precisamos agir e buscar soluções concretas. Em um ano o setor deixou de movimentar R$ 6 milhões na economia local”, calcula.

A média recebida pela maioria dos produtores antes da crise era de R$ 1,65 por litro. Hoje, este valor caiu para apenas R$ 0,85. Com uma produção anual de 7,4 milhões de litros, a queda financeira preocupa. “O custo chega a R$ 1,20 por litro. Nem os nossos 40 programas de incentivo são suficientes para amenizar os prejuízos e fazer o produtor se manter na agricultura”, lamenta.

Está agendada para hoje sexta-feira, a partir das 8h30min, no auditório da prefeitura municipal, uma reunião para discutir alternativas para a crise.

Na ocasião, representantes do Executivo, Emater, Secretaria da Agricultura, Regional Sindical do Vale do Taquari e Fetag tentam encontrar soluções para amenizar a queda na renda e evitar um colapso social no município. “Temos que nos mobilizar. Nós dependemos da arrecadação do setor primário e o leite é uma das atividades mais rentáveis no campo, pois garante um salário mensal. Sem isso, fica difícil se manter na lavoura”, afirma Grunewald.

 

Cenário é crítico

Segundo o chefe do escritório da Emater, Arthur Eggers, muitos agricultores desistiram da produção nos últimos dois anos em razão da queda no preço e falta de pagamento.

Outro fator preocupante é o elevado número de famílias com baixa produção mensal. “Dos 223 produtores, em 115 propriedades a média diária é de apenas 50 litros. Estes serão excluídos, caso deixem de receber orientação técnica”, observa.

De acordo com o gerente regional da Emater em Lajeado, Marcelo Brandoli, a queda do preço do leite levou os 36 municípios do Vale do Taquari a prejuízo de R$ 250 milhões, no ano passado.

De 2015 até o ano passado, 1.082 produtores, o equivalente a 15% do total, saiu da atividade na região. Enquanto o preço pago ao produtor gira em torno de R$ 0,85, o custo de produção é calculado em R$ 1,20.

 

Para saber

Produtores – 223

Rebanho – 2.415 vacas leiteiras

Produção - 7,4 milhões de litros por ano