Cisternas armazenam água da chuva

Executivo incentiva produtores a construir estruturas para manter a produção em épocas de seca

André Quinot, de Neu Deutschland, mantém 4 mil suínos no sistema de terminação. Por dia o consumo de água chega a 30 mil litros. Para evitar a paralisação das atividades em épocas de estiagem, resolveu investir na construção de uma cisterna. Toda água da chuva e de vertentes é recolhida. “Temos capacidade de armazenar 2,5 milhões de litros, o suficiente para fazer a engorda de um lote durante 120 dias”, enfatiza.
A ideia surgiu faz 11 anos quando o primeiro chiqueiro foi construído. “Sem água seríamos obrigados a desistir da atividade. Depender do caminhão pipa era inviável e utilizar a água de poço artesiano teria um custo muito elevado. A saída foi instalar calhas e tubos para recolher a água da chuva em uma cisterna”, observa. O investimento chegou a R$ 50 mil.
Todo projeto foi desenvolvido em parceria com a Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente, Emater e a integradora. Segundo Quinot, pelo fato da área estar localizada em um local de grande altitude, dificilmente se obteria êxito na perfuração de um poço artesiano. “Um vizinho chegou a perfurar mais de 150 metros e nem sinal de água”, conta.
O secretário da Agricultura e Meio Ambiente, Adair Pedro Groders visitou a propriedade e elogiou a iniciativa. “Queremos incentivar mais produtores a adotar o sistema. A ordem é guardar quando sobra, para ter quando falta”, aconselha.
Segundo Groders, a secretaria auxilia com serviço de máquina os produtores interessados em construir cisternas. Já a Emater orienta quanto à preservação de fontes, armazenagem e cuidados para evitar que a água seja contaminada.

Alternativa viável
 
Conforme o prefeito Paulo José Grunewald a construção de cisternas é uma das alternativas para evitar prejuízos em épocas de estiagem ou mesmo reduzir custos na criação de aves, suínos e gado leiteiro. “Queremos conscientizar os agricultores de armazenar a água da chuva e preservar as vertentes. Sem água a produção se torna inviável”, destaca.
Existem 922 propriedades no município. São 336 produtores de leite (7,4 milhões de litros de leite ao ano), 32 chiqueiros e 17 aviários.


Foto e texto Giovane Weber – Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Forquetinha