Ações ressaltam importância da prevenção

Atividades esclareceram causas, sintomas, fatores de risco e como evitar a doença

Conforme os dados divulgados pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca), da Estimativa 2018 de Incidência de Câncer no Brasil, este ano o país deve fechar com 59,7 mil novos casos da neoplasia em mulheres. No estado a enfermidade atinge 88 a cada 100 mil mulheres.

Diante destes dados, a Secretaria de Saúde, Habitação e Assistência Social realizou durante o mês de outubro diversas ações para alertar o público feminino da importância da prevenção para diagnosticar a doença precocemente.

Conforme secretária Heidi Grunewald é fundamental realizar campanhas de esclarecimento, orientar e fazer os exames preventivos anualmente. “A melhor forma de evitar a doença é prevenir. O autoexame, fazer consultas com especialistas, se cuidar. Oferecemos todo apoio aqui”, ressalta.

Entre as diversas atividades em andamento até o fim do mês, foi organizada na última segunda-feira a palestra sobre o tema no Complexo Vida Saudável. Cerca de 70 mulheres participaram.

Durante a tarde a médica Zolliane Amaro Pena abordou as principais causas, sintomas, fatores de risco e formas de evitar a doença. Toda mulher com 40 anos ou mais deve realizar anualmente o exame clínico das mamas.

Entre os principais sintomas, o mais fácil de ser percebido é a formação de um caroço no seio ou embaixo do braço, acompanhado ou não de dor.  

“Precisamos nos cuidar”

A presidente da Liga Santaclarense de Combate ao Câncer, Helena Herrmann falou do trabalho da entidade. Fundada em 2016 por 17 voluntárias, possui 275 colaboradores. Mensalmente são feitas doações, cujo valor varia de R$ 5 a R$ 10.

Atualmente a entidade acompanha cinco casos. “Doamos de forma integral a medicação, além de auxiliar no pagamento de exames”, explica. Segundo ela, a melhor forma de evitar a doença é se cuidar, fazer o autoexame e buscar conhecimento. “O câncer assusta. Precisamos vencer o medo, o preconceito e aprender a nos cuidar”, afirma.

Exames em dia

Alinda Schmitzhaus, 65, de Picada Hunemeier mantém os exames em dia para evitar a doença. “Sempre me cuidei e faço mamografia regularmente. Também observo minha alimentação”, comenta. A amiga Lia Treifke, 63 elogia as atividades realizadas. “Ajudam a esclarecer nossas dúvidas”, resume.

A irmã de Elizabete Mittelstadt, 55, de Bauereck, já foi diagnosticada com a doença. Com isso o cuidado na família foi redobrado. “Além de fazer o autoexame em casa, faço as consultas anuais. É melhor prevenir do que remediar”, observa.

A vizinha Daiane de Abreu, 31, também segue as recomendações médicas e faz anualmente os exames. “Depende de nós buscar a prevenção. É um ato de amor e cuidado”, finaliza.

Fotos e Texto Giovane Weber – Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Forquetinha