Clube Atlético recebe verba para construir pavilhão

Prédio de 450 metros quadrados terá investimento de R$ 120,8 mil com recursos próprios

Iniciam em breve as obras de construção da nova cancha de bocha do Clube Atlético. A antiga estrutura foi demolida faz dois anos devido a precariedade. Segundo o prefeito Paulo José Grunewald, a obra era uma antiga reinvindicação das famílias associadas ao clube. “Será um ponto de encontro e de lazer entre os moradores. Um dos nossos objetivos é auxiliar as comunidades a ter uma boa infraestrutura para se reunir, organizar festas e eventos de integração”, destaca.

A empresa Moamar Engenharia, de Lajeado foi vencedora do processo licitatório e terá até 75 dias para finalizar o projeto. O investimento, com recursos próprios será de R$ 120.810,12. O prédio terá 450 metros quadrados.

O presidente da entidade, Antoninho José Zago, 60, comemora. Segundo ele, o clube nunca teria condições próprias para erguer uma nova cancha de bocha. “Aqui todos colaboram, desde os jovens aos mais idosos. Somos muito unidos e queremos manter viva está história tão bonita construída faz décadas”, comenta.

Para Zago, a nova estrutura será muito aproveitada pelos esportistas. Além de um ponto de encontro, será uma nova alternativa para arrecadar fundos. “Queremos agradecer ao prefeito. Ele está ciente das nossas dificuldades financeiras e com esta obra nós fortalecemos o clube. Poderemos retomar os torneios e jogos amistosos aos fins de semana”, adianta.

“O clube é minha vida”

Gelson Bauer, 74, mora nas imediações do clube. Foi um dos três sócios fundadores em 1981. O primeiro campo estava localizado do outro lado da rodovia , onde hoje está o campo e o salão.  Quatro anos após a fundação, com ajuda das máquinas da prefeitura, o atual campo foi construído. “As gramas a gente trouxe de Arroio Alegre com carroça”, lembra.

Bauer era zagueiro e atuava quatro tempos por domingo. A paixão pelo futebol foi herdada pelo filho e por muitos jovens da comunidade. “Sempre trabalhei de forma voluntária. Este clube é minha vida e espero que as futuras gerações ajudem a manter”, observa.

Há mais de 20 anos Bauer trocou a bola pela cancha de bocha. A desativação, segundo ele, foi um dos momentos mais tristes para a comunidade. “O Executivo vai realizar o meu e de muitos moradores, o de voltar a jogar. É um lazer, um ponto de encontro de amigos”, afirma.

Jovens fortalecem entidade

Há quatro anos a estrutura estava abandonada. A capoeira tinha tomado conta do campo e da área ao redor do salão. Um grupo de jovens se uniu aos sócios mais antigos e reativaram a estrutura.

Entre os colaboradores estão Vilson Radavelli, 47 e Jorge Luís Tischer, 42. “Era uma tristeza ver a estrutura assim. Nos juntamos, cortamos a grama, reativamos a sociedade e o time de futebol. Já temos jogos agendados para todo ano de 2019”, orgulham-se.


Foto e texto Giovane Weber/FW Comunicação/Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Forquetinha