Inicia a construção de ponte baixa

Nova estrutura vai substituir antiga estiva. Investimento passa de R$ 167 mil

Enquanto atravessa a ponte pênsil, a aposentada Dorni Schneider, 65, de Vila Haas, acompanha os trabalhos das máquinas no leito do Arroio Forquetinha.

Semanalmente ela se desloca até o bairro centro para fazer compras, pagar contas e sacar o dinheiro da aposentadoria. “É muito perigoso passar pela ponte, principalmente em dias de chuva. Depois que a estiva foi interditada e a água arrancou a estrutura ficamos isolados. Será uma obra muito importante e traz mais segurança para os usuários”, comenta.

Segundo Dorni, a estiva era a única passagem para os moradores que interligava as comunidades de uma margem à outra. “Quem tem carro precisa atravessar pela ponte localizada nas imediações do Clube Nacional ou por Bauereck, o que aumenta o percurso em 12 quilômetros”, calcula.

Morador próximo onde a obra está em andamento, Paulo Pohl, 58, elogia o projeto. Segundo ele, muitas pessoas tem medo de atravessar a ponte pênsil e optam pelo percurso mais longo. “Alguns se arriscam e passam até de moto. Com a nova ponte, além de facilitar a passagem, aproxima as comunidades da área central”, entende.

Pedido da comunidade

Para o prefeito em exercício, Rene Becker, a obra era uma antiga reivindicação dos moradores da Vila Prass e Haas. Cita que muitos agricultores possuem área de terra do outro da margem do arroio ou se deslocam para fazer compras, ir ao posto de saúde, agências bancárias, abastecer ou fazer compras. “Além da economia, ficará mais seguro e fácil de chegar ao centro”, destaca.

O secretário de Obras, Viação e Interior, Henrique Krüger acompanha de perto os trabalhos. “Queremos evitar problemas no futuro e por isso todo cuidado é pouco”, argumenta.

Recursos próprios

Conforme o secretário do Planejamento Vianei André Noll, o projeto será executado com recursos próprios, cujo investimento alcança R$ 167.098,70. Com 35 metros de comprimento e 4,5 metros de largura a nova ponte baixa terá uma altura de 1,5 metros acima do nível normal do arroio.

Segundo o engenheiro civil Everson Kerbes, serão feitas cortinas de concreto com pilares embutidos. “Com isso a área de passagem da água será maior e reduzirá o acúmulo de resíduos como galhos e outros tipos de materiais”.

O diferencial será a construção de pilares (cortinas de concreto) ao invés de tubos de concreto. O diferencial será a construção de pilares (cortinas de concreto) ao invés de tubos de concreto. A empresa Carlos Arnholdt Engenharia, de Travesseiro, foi a vencedora da licitação.

Relembre o caso

A estiva foi inaugurada em 2008 pelo governo do prefeito Lauri Darci Gisch (MDB). Na época foram investidos R$ 80 mil. No dia 14 de agosto de 2010, após a passagem de um caminhão de brita, a estrutura cedeu em um dos lados e abriu um buraco de aproximadamente dois metros de profundidade. O local foi interditado para a travessia de veículos e de pedestres.

Fotos e texto Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Forquetinha