Decreto de emergência é reconhecido

Produção de grãos e leite foram as atividades mais afetadas e prejuízos chegam a R$ 8,9 milhões

Encaminhado em janeiro, o Decreto de Emergência emitido devido às perdas nas lavouras, cadeia leiteira e o desabastecimento de água potável em várias comunidades do interior em função da estiagem foi reconhecido pelo Governo Estadual.

Com base no levantamento feito pela Emater e Secretaria de Agricultura, os prejuízos financeiros passam de R$ 8,9 milhões. Para o prefeito Paulo Grunewald (PP) os efeitos foram severos e muitas lavouras nem conseguiram se recuperar apesar da chuva ser mais regular nas últimas semanas.

“Torcemos para a segunda safra de milho ser melhor e as pastagens consigam se recuperar para no inverno os produtores terem alimento para o gado e assim manter a renda.”

Novos poços

Com um investimento de R$ 700 mil, em recursos próprios, foram perfurados três poços artesianos em São Vítor, Araguari e Arroio Abelha II. Conforme Grunewald além de toda infraestrutura como instalação de novos reservatórios, ainda foi feita a troca ou a colocação de novos canos. “Conseguimos resolver este problema da falta de água.”

O município ainda aguarda a liberação de recursos por parte da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural para perfuração de dois poços artesianos.

Anistia do milho

A Secretaria da Agricultura informa que o Governo do Estado fará a anistia do pagamento das sementes do Programa Troca-Troca Safra e Safrinha 2021/2022 para os municípios que decretaram situação de emergência pela estiagem com homologação pelo Estado do Rio Grande do Sul e/ou com reconhecimento Federal.

Segundo Adair Pedro Groders, a anistia não envolve a parcela já paga pelo agricultor/entidade referente à tecnologia transgênica no momento do pedido em 2021, ou seja, não haverá devolução da parcela transgênica. Neste ciclo atual o programa beneficiou 227 produtores com a entrega de 426 sacas.

Estimativa de perdas

Milho silagem – 50% (área cultivada – 1,1 mil hectares – queda de 500 em relação ao ciclo anterior) – R$ 6.256.250,00

Milho grão – 40 % (área cultivada – 350 hectares – queda de 100 em relação ao ciclo anterior) – R$ 1.848.770,00

Soja – 40% (área cultivada – 250 – queda de 100 em relação ao ciclo anterior) – R$ 814.072,00

Produção de leite – 50%

Fonte – Emater e Secretaria da Agricultura e Meio Ambiente 

Foto e texto Giovane Weber/ FW Comunicação - Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Forquetinha