Língua alemã permanece no cotidiano dos alunos

Idioma é ensinado na rede municipal. Objetivo é valorizar e preservar a cultura e origens herdadas dos antepassados

Enquanto caminha pelos corredores da Escola Municipal de Ensino Fundamental João Batista de Mello, a professora Raquel Maria Rockenbach é parada diversas vezes. “Guten Morgen, wie geht es dir Lehrer?”, dizem crianças de sorriso aberto. Eles fazem questão de cumprimentá-la em alemão, idioma que aprendem desde cedo.

No município, colonizado por alemães, o idioma faz parte do currículo escolar desde 2009. Todos os alunos, desde a Pré-escola ao 9º ano participam de um período semanal.

Raquel, Graduada em Ciências Exatas pela Univates, e Certificado Instituto Goethe para Habilitação em Alemão, destaca a importância de aprender e manter viva esta tradição.

“É muito gratificante, pois com o incentivo do município valorizamos as crianças que desde a infância falam este idioma e devem continuar. Procuramos destacar a importância de falar e aprender o dialeto, seja para falar uma língua a mais, fazer um intercâmbio ou mesmo ter um diferencial a mais no mercado de trabalho.”

O conhecimento da Língua Alemã pode ser uma porta aberta para um emprego em uma das 1,4 mil empresas alemãs aqui no Brasil, além de uma grande oportunidade para o ingresso em uma das 425 universidades e institutos superiores na Alemanha. Os estudantes poderão escolher entre mais de 17,4 mil programas universitários.

Entrevista


Como surgiu o interesse em ser professora nesta disciplina?


Raquel - O meu interesse na Língua Alemã se fez quando tive a oportunidade de realizar diversos intercâmbios e cursos na Alemanha, através da Igreja Católica (Diocese de Santa Cruz do Sul) e logo após um intercâmbio através da Univates. Foi a chance de conhecer e aprender um pouco mais sobre este País, esta cultura incrível e sobre os nossos antepassados. Anteriormente já fazia um trabalho interligado com a dança alemã desde os meus 13 anos de idade e 2009, quando retornei da Alemanha, comecei a atuar como professora de Língua Alemã. Participo de diversos seminários de aperfeiçoamento para professores de alemão pelo ISEI (Instituto Superior de Educação de Ivoti), seminários e cursos de capacitação pelo Instituto Goethe de Porto Alegre, (ARPA) Associação Riograndense de Professores de Alemão e de Congressos. Sempre penso no objetivo de crescer e aprofundar meu conhecimento sobre esta língua estrangeira. Não poderia deixar de citar, que minha família fala o dialeto alemão, e desde criança tinha contato com a mesma e que para meu primeiro intercâmbio à Alemanha, realizei um curso de Língua Alemã, Nível II, na Univates, apenas durante 3 meses.

Para os alunos qual a importância de manter vivo o dialeto dos antepassados?


Raquel - Além de ser mais uma língua estrangeira, aos alunos destacamos sempre a importância de preservar o dialeto e como ele os auxilia a se expressar, identificar e escrever. Além de sermos de uma região de origem alemã, é de grande valia o ensino. O munícipio através da Secretaria de Educação proporciona a possibilidade de participar nos eventos que são oferecidos às escolas nos festivais de música e teatro, no concurso de leitura e também no auxílio da aplicação da prova Fit in Deutsch A1, nível de Ensino Fundamental. Isso proporciona aos estudantes adquirir inúmeras possibilidades para o seu futuro.

Quantos estudantes participam das aulas?


Raquel - Hoje todas as turmas da Escola Municipal de Ensino Fundamental João Batista de Mello, desde a Pré-escola ao 9º ano tem um período semanal. Somente a turma do 9º ano até antes da pandemia tinha 2 horas a mais no turno da tarde, pela participação da Prova Fit in Deutsch A1 proporcionado pelo Instituto Goethe de Porto Alegre. Este ano, serão retomadas essas aulas para a turma do 9º ano.

Como incentivar os pais a também falarem o idioma em suas casas e despertar nos filhos este interesse?


Raquel - Aqui no município os alunos que já possuem o contato com a língua, com o nosso dialeto, devem falar, pois em casa e na comunidade, os pais, avós e vizinhos também falam e com certeza incentivam e estimulam os mais jovens a valorizar e preservar nossa cultura, nossas origens, nossa língua.

A senhora gostaria de acrescentar algo?


Raquel - Agradecer ao Executivo, Secretaria de Educação e direção do colégio pelo apoio e estrutura colocada à disposição aos alunos. Não é em todas as cidades de origem alemã que se tem a possibilidade de ter aula de alemão. Dizer também da importância da aquisição dos novos livros pedagógicos da Freitag Editora. Proporcionam a aprendizagem da língua e possibilitam maior conhecimento da língua.

Fotos e Texto Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Forquetinha